Teste de aplicativos móveis – Desafios – Parte 1

Sabemos que garantir a qualidade de um aplicativo tem aspectos únicos e grandes desafios. Portanto, neste post iremos discutir alguns desses desafios que impactam diretamente a complexidade dos testes dos aplicativos para dispositivos móveis.

Segundo dados da Mobile Time, o uso dos aplicativos móveis cresceu 58% em 2015 e, acompanhando este crescimento e as evoluções tecnológicas, a cada dia surgem dispositivos mais eficientes e com mais recursos, o que impulsiona o mercado de desenvolvimento de aplicativos. Levando em consideração esse contexto, o teste de aplicativos móveis é imprescindível; porém, existem diversos desafios, como por exemplo a diversidade de fabricantes presentes no mercado, como pode ser verificado no gráfico abaixo.

Quota global de mercado detida pelos principais fornecedores de smartphones de 2009 a 2015 – Fonte: Statista

 

Considerando um aplicativo que seja desenvolvido para Android a partir da versão 5.0, não é garantido que o comportamento será o mesmo em um aparelho LG e Motorola, pois cada fabricante tem configurações diferentes em seus dispositivos. A categoria “Others” está crescendo, o que significa que a variedade de aparelhos tende a ser cada vez maior. 

Um outro grande desafio é a fragmentação de sistemas operacionais. 

Mercado de smartphones em todo o mundo por sistema operacional de 2014 a 2020 - Fonte: Statista

Mercado de smartphones em todo o mundo por sistema operacional de 2014 a 2020 – Fonte: Statista

 

Como podemos ver no gráfico acima, a maioria do mercado utiliza o Android. Mas, além da diversidade do SO’s, temos também sua fragmentação em diferentes versões. Por exemplo, se um aplicativo é desenvolvido para Android a partir da versão 4.0, significa que teremos as versões 4.0.2,4.0.3,4.0.4,4.1,4.2…5.0…6.0 (e etc.) para testar. É bem desesperador, pois a quantidade de testes é muito grande, e o ideal é que todas as funcionalidades sejam executadas em cada versão do SO.

Além disso, a diversidade de tamanhos de tela é outro fator preocupante pois impacta diretamente a experiência do usuário. Abaixo, uma demonstração da diversidade de tipos de telas de dispositivos móveis.

Imagem3

Diversidade de tamanhos de telas – Fonte: OpenSignal

 

Neste caso a complexidade está em garantir que um usuário que possui um celular com tela pequena terá a mesma experiência que um usuário que possui um com tela maior. Esta questão é muito importante: quebras de layout, tamanho de letras, resolução das imagens, entre outros, podem prejudicar a usabilidade, que em um mercado com tantos aplicativos se torna uma vantagem competitiva.

Como podem ver, a quantidade de desafios é muito grande. Por isso continuaremos, no próximo post, a discutir sobre os desafios dos testes mobile. Até a próxima!

Sobre o(a) autor(a)

Samantha Morais Nunes
Samantha Morais Nunes

Formada em Ciência da Computação pela PUC Minas e pós-graduada em Segurança da Informação pela UNA. Iniciou a carreira na área de QA em 2011 como estagiária e hoje atua como analista de qualidade de software na Take. Participou com Letícia (QA), André (QA) e Rhamon (PO), do STWC 2014, conquistando o 4º lugar na etapa South America e o prêmio Most Useful Test Report. Fez parte da equipe de organização do Minas Testing Conference, um evento sobre qualidade de software que ocorre em Belo Horizonte e atualmente faz parte da equipe de organização dos meetups de Segurança da Informação 0x0d1a e Machine Learning BH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar as seguintes tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

by Take ® 2015 | Todos os direitos reservados.linkedin