Teste de aplicativos móveis – Desafios – Parte 2

Como já discutido no post anterior, o teste de aplicativos tem grandes desafios, como a diversidade de dispositivos quanto a fabricante, versão de sistema operacional e tamanho de tela. Neste post, iremos continuar esta discussão sobre o que pode aumentar a complexidade dos testes de aplicativos móveis.

Combinada à diversidade de aparelhos, outra questão que pode ser considerada um desafio se refere aos recursos que o aplicativo pode utilizar, como sensores, GPS, câmera e etc. Como cada aparelho tem configurações diferentes, isso pode impactar no comportamento do aplicativo, dependendo do dispositivo utilizado.

Quanto mais recursos do aparelho forem utilizados pelo aplicativo, maiores as chances de aumentar o consumo de dados,  bateria, memória RAM e espaço de armazenamento. Esta questão é tão importante que a empresa AVG fez um relatório sobre esse assunto indicando os aplicativos que mais prejudicam os aparelhos.

Consumo de dados – Os 10 mais prejudiciais que iniciam com o aparelho – AVG Android App Performance Report Q2 2015

 

Consumo de bateria - Os 10 mais prejudiciais que iniciam com o aparelho - AVG Android App Performance Report Q2 2015

Consumo de bateria – Os 10 mais prejudiciais que iniciam com o aparelho – AVG Android App Performance Report Q2 2015

 

Consumo de memória de armazenamento - Os 10 mais prejudiciais que iniciam com o aparelho – AVG Android App Performance Report Q2 2015

Consumo de memória de armazenamento – Os 10 mais prejudiciais que iniciam com o aparelho – AVG Android App Performance Report Q2 2015

 
Além da questão de performance do aplicativo, considerando a diversidade de dispositivos, e levando em consideração os três tipos de aplicativos – nativo, híbrido e mobile web apps – caso o teste seja em mobile web apps, os vários tipos de mobile browsers podem se tornar outro desafio, como pode ser verificado na imagem abaixo.

Mobile Browsers - Font Hands-On Mobile App Testing

Mobile Browsers – Font Hands-On Mobile App Testing

 

E por fim, um outro grande desafio é a velocidade e a quantidade de releases geradas.

Release Cycles – Agile Trends 2013

 

Dependendo da velocidade do time de desenvolvimento, podem ser geradas mais de uma versão do aplicativo por dia. E para cada versão, o ideal é que todos os testes sejam executados novamente para garantir que as novas alterações não impactaram as funcionalidades já existentes. Mas é muito complicado realizar todos os tipos de testes, em vários dispositivos, com versões diferentes e tamanhos de telas diferentes a cada versão lançada. Portanto, é imprescindível que os testes sejam automatizados à medida que o aplicativo é construído.

Neste post, discutimos sobre alguns dos maiores desafios para o teste de aplicativos móveis. Espero que tenham gostado!

Nos próximos posts, abordaremos algumas sugestões de solução para cada um dos desafios tratados.

Até a próxima!!

Sobre o(a) autor(a)

Samantha Morais Nunes
Samantha Morais Nunes

Formada em Ciência da Computação pela PUC Minas e pós-graduada em Segurança da Informação pela UNA. Iniciou a carreira na área de QA em 2011 como estagiária e hoje atua como analista de qualidade de software na Take. Participou com Letícia (QA), André (QA) e Rhamon (PO), do STWC 2014, conquistando o 4º lugar na etapa South America e o prêmio Most Useful Test Report. Fez parte da equipe de organização do Minas Testing Conference, um evento sobre qualidade de software que ocorre em Belo Horizonte e atualmente faz parte da equipe de organização dos meetups de Segurança da Informação 0x0d1a e Machine Learning BH.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar as seguintes tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

by Take ® 2015 | Todos os direitos reservados.linkedin